Resenha: Jogos Vorazes, o livro

Oii gente!

Faz mó tempão que não posto, né? Bom… o que posso dizer: Tenho focado mais nos textos, mas voltei pra vocês! É muito difícil ter que juntar as horas dos dias, com tanta coisa acontecendo – envolve doença, não me culpem – Mas vamos lá…

O post de hoje é sobre um livro maravilhoso ~~Tcharan~~ Jogos Vorazes! Livros são a melhor coisa pra se fazer quando o calor envolve o seu ser e a preguiça de enfrentar o sol acaba ganhando!

Com todo esse amor pela trilogia que chegou aos cinemas todo mundo quer um pouquinho dos famosos jogos e da corajosa Katniss Everdeen…

Jogos vorazes é um torneio organizado pela capital, onde dois tributos (pessoas até 18 anos/ um homem e uma mulher) são sorteados por distrito como uma “oferenda” da capital para relembrá-los de como ela foi gentil em deixá-los viver. Esses 24 tributos são jogados em um campo onde só um sobrevive.
Katniss é uma garota do distrito 12 que vive com sua mãe e sua irmã mais nova, Prim. Perdeu seu pai nas minas, portanto ela que leva comida para casa todos os dias. Para isso, ela caça na floresta proibida com Gale, seu melhor amigo desde a morte de seu pai.
Prim acaba sendo sorteada para os Jogos Vorazes, mas Katniss toma seu lugar, tendo então, como segundo tributo do distrito 12, Peeta. Peeta salvou sua vida no passado, uma coisa que a faz ter muito remorso em ter que matá-lo, mas é viver ou morrer.
Os Jogos começam e os patrocinadores estão a procura de um favorito. Kat e Peeta arrumam um jeito de ganhar patrocinadores: firmando um romance. O tordo, pássaro que está na capa do livro, é um broche que Katniss ganhou de uma  amiga de infância sua (diferente do filme), e que acaba tendo outro significado pela trilogia.
Mas como você provavelmente já sabe de tudo isso,
O que eu achei é que os detalhes mudam tudo, o livro e o filme são realmente parecidos, mais do que qualquer adaptação pra filme que eu já tenha visto, as mudanças são realmente pequenas.
Outra coisa que eu realmente gostei, foi a forma com que descrevem a Katniss no livro – claro que o livro é sempre mais perfeito – ela é forte mas está realmente abalada com a situação, no que o filme retrata com frieza, mas mesmo assim… Amo ambos!
Espero que tenham gostado, digam-me o que querem aqui no blog, e pretendo voltar de vez! Bisous…
PS: Meus novos textos ficam no Borboleta Interior!

Diário de Pensamentos

seth-frases

– Eu esperava um príncipe encantado e ele não apareceu… mas veio algo melhor: Um cara de verdade!

– Não daria pra transformar nossas memórias em um livro de romance, só dão pra encher mais uma caixa guardada perto dos sentimentos, que só você entende, mas eu já descobri a senha.

– Cresça, mude, viva, sonhe e claro vai ser feliz que o amor vem de brinde!

– Quando você quer algo de verdade e nada muda isso, tudo vai ficar bem.

– As coisas mudaram e não é como eu esperava que fosse…

– Eu me apaixonei pelo seu sorriso e pelo o que você me faz sentir quando sorri.

– Aqui não é um conto de fadas, é melhor. É uma vida de verdade!

– O amor da sua vida, não é aquele que chega e te faz suspirar, mas, sim aquele que fica e te faz apenas sorrir, mas, sorrir o tempo todo.

I just don’t know what to do with myself

Parece que depois que eu saí da escola, o White Stripes se tornou a banda oficial da trilha sonora da minha vida. Começou a tocar a música “I just don’t know what to do with myself” em loop desde o primeiro dia, até então. É, tem quer ser a versão do White Stripes, que é mais rock’n’roll e traz uma pitada de melancolia gratuita. E porque aquele clipe com a Kate Moss é ma-ra-vi-lho-so. Antes, os meus atos eram regidos muito mais por um bando de gente que não fazia a mínima idéia do que se passava na minha cabeça do que por mim. Mãe, pai, irmão, avós, tios, professores, diretores… quanta gente cuidando da minha vida. Aguentei em silêncio até os 18 pra poder dizer: agora quem manda em mim sou eu. Mais ou menos em silêncio. Acho que eu posso adicionar uns 50 ou 60 surtos psicóticos nesse rolo, umas 3 fugas, aulas cabuladas, um ano de repetência no ensino médio e algumas boas lições que aprendi durante esse trajeto. E depois que fiz 18 também acabei descobrindo que não era bem assim que funcionava. “Agora quem manda em mim sou eu” foi o pensamento mais ilusório de todos os tempos. Tanto que hoje eu tenho 20 anos e ainda devo um montão de explicações pros meus pais. Eles ainda pagam meu teto e comida. Fazer 18 anos não significa emancipação, a menos que você tenha dinheiro e muita responsabilidade pra conseguir viver por conta própria lá no mundão.

Graças às forças cósmicas do universo, caí em uma família que me abriu um leque com infinitas possibilidades de caminhos a serem trilhados. Eu poderia ir pra faculdade, optar por qualquer curso que quisesse. Também poderia esperar 6 meses, um ano ou quanto tempo precisasse pra decidir melhor o que iria fazer. Afinal, decidir o que você vai fazer pro resto da vida não é assim tão fácil. Nem pensei duas vezes e fui fazer faculdade de Moda logo que o colégio terminou. Acho que foram os deuses que sussurraram esse conselho nos meus ouvidos, porque não poderia ter feito escolha melhor. Entrei pra um Reality Show e portões de castelos se abriram pra mim. Portões que eu não esperava que seriam abertos tão cedo. E lá no meio daquela confusão de emoções, entre câmeras, microfones, novas amizades e oportunidades, descobri que pertenço à comunicação. Hoje estou exatamente aonde deveria estar.

Tranquei a faculdade de Moda e criei um blog. Resolvi que iria escrever durante 6 meses, enquanto decidia se queria cursar Jornalismo ou Cinema. Minha meta maior de profissão naquele momento era dirigir uma revista. Imaginei que o curso de Jornalismo seria muito mais conveniente. Me inscrevi pro vestibular e passei. Já estava tudo decidido, até anunciarem a data única pra fazer a matrícula. Eu estaria lá na Califórnia com a minha família nesse dia, e preferi ir viajar do que entrar pra faculdade, hahaha. Mais um ponto pro destino. Pensei melhor e vi que não tinha certeza do que iria cursar. Analisei a grade mais umas 40 vezes e encontrei ali no meio uma matéria ou outra que me faziam abrir um sorriso. Continuei escrevendo meu blog e procurando. Pensei em ir estudar fora do país, mas decidi que ainda não era o momento. Tinha muita coisa rolando aqui no Brasil! No final das contas, o blog acabou dando certo de um jeito que nem imaginava e consegui alcançar metas de vida que tinha colocado pra só daqui alguns anos. Às vezes fazer o diferente do planejado acaba dando certo! Mas continuo achando que foi destino.

Daqui algumas semanas vou prestar mais um vestibular, dessa vez pra cursar Cinema. E aí mais um monte de indecisões me vieram à cabeça. Será que me mudo pra um apartamento que seja perto da faculdade? Ou será que vou de carro e enfrento um baita trânsito todos os dias mas guardo meu dinheirinho pra investir em outras coisas? Será que alugo o apartamento e monto uma loja online e nem começo a fazer faculdade ou será que faço tudo ao contrário? É tudo meio oito ou oitenta. Será que compro donuts ou salada de frutas? Compro uma bicicleta ou me caso em Las Vegas? Fiquei me martelando com dúvidas durante tempos e resolvi que, daqui pra frente, vai ser um passo de cada vez. A ansiedade é inimiga das decisões mais acertadas. Não dá pra tentar planejar o que vai acontecer no futuro porque a gente não sabe nem o que vai rolar no dia de amanhã. Aliás, não sei nem o que vai ter hoje pro jantar. É relaxar o coração, botar a mente pra funcionar e fazer as coisas acontecerem. Quanto mais cedo você botar seus sonhos em prática, mais cedo vai chegar aonde hoje você gostaria de estar. Sem esquecer que o presente deve ser vivido como se fosse acabar. E acaba mesmo, por mais que pareça clichê.

Vi esse texto – antigo – da Gi Ferrarezi e adorei, sem ter nada a ver com a minha vida, de alguma forma entrei nesse mundinho de clichês e incertezas, porque na verdade a gente não sabe de nada, só fingimos que sabemos!

O vizinho de prédio

Ele era aquele amigo babaca que todo mundo tem, que só fala bobeira e ri de tudo, não foi nada romântico, ele se mudou pra um apartamento no meu prédio e naqueles encontros no elevador e na portaria, acabou que a gente se aproximou, nunca nada passou pela minha cabeça e talvez nem pela dele, a gente ia rindo que nem retardados, ele era pra quem eu fazia caretas e podia ser tão lesada como eu sou, sem me preocupar com nada, eu não ligava em ter acabado de acordar e estar com aquela cara amassada ou estar sem maquiagem, eu podia dar risada do meu jeito estúpido e ele tirava todo aquele charme que ele tinha com as garotas, a gente não ligava e ria de tudo, e tudo era sobre isso, rir. As coisas complicaram e ele ficou do meu lado, a gente se aproximou e as coisas mudaram, eu comecei a ligar pra minha aparência perto dele e ele começou a me abraçar mais, e entre risadas e olhares coisas aconteceram e as coisas mudaram até que a gente nunca foi de grudar, mas eu virei uma daquelas garotas e ele do nada começou a ter um charme especial.

Hoje eu me sinto mais feliz do que nunca. Me sinto bonita, feliz, produtiva, bem amada, em um lugar seguro e, ao mesmo tempo, cheio de novidades. Sinto que tenho um mundo inteiro pra explorar, junto de um amigo que me faz sentir viva e especial. Que deixa tudo mais gostoso. E que transforma os dias ruins em dias felizes. E que depois que ele chegou, os dias ruins foram desaparecendo cada vez mais. E eu queria dizer pra você que tá lendo esse texto, que existe sim uma pessoa que vai te fazer mais feliz. Digo que é “mais feliz” porque, pra essa pessoa aparecer, você já tem que ser feliz. E se você acha que alguma pessoa nesse mundo pode te transformar de pessoa triste pra pessoa feliz, pode tirar seu cavalinho da chuva. Só você pode escolher isso pra si mesmo. E aí, quando você for feliz, as coisas mais inesperadas vão acontecer. Eu esperava um príncipe encantado, mas ele não apareceu… mas veio algo melhor: Um cara de verdade!

Resenha: Tormenta, de Lauren Kate

Depois da resenha de Fallen, li (a algum tempo) o tormenta! Amei o livro! Sempre que leio os livros da Lauren Kate vem uma coisa ótima no tipo de escrita dela! É com paixão, com sentimento! Lendo da pra se imaginar lá, acho que esse é menos mimimi de garota apaixonada e entra mais dentro do mundo misterioso dos tais anjos e sombras e tal.

”Ele está escondendo alguma coisa – algo perigoso. E se a versão passada de Daniel não for verdadeira? E se Luce realmente quis ficar com outra pessoa?”

A Luce desvenda os mistérios do anunciador e descobre algumas vidas passadas! Começa com ela indo pra Shoreline, um colégio de Nefflins (filhos de anjos caídos com humanos) e entra nesse mundo onde ela e o Daniel são conhecidos pela ”alma-gêmea” um amor! HAHAHA Bem, ela vê pouco o Daniel e menos anjos, faz amizade com dois e eles descobrem juntos como viajar pelos anunciadores e tal.

Já to lendo o Paixão, depois faço resenha! Bisous, Amanda Luz

O Primeiro de Muitos

Conversando hoje, durante a aula de geografia, notei – notamos – que toda garota passa pelo seu Tal quebra corações! O primeiro de muitos, claro, mas aquele que te marca, e quando falam em desilusão amorosa lá vem ele na cabeça! O meu foi o Lucas, ele era o garoto mais fofo e charmoso que eu já tinha visto – ou achava que era – e ele tinha aquele cabelo preto jogado meio que em um topete, olhos brilhantes e aquela coisa de posso te proteger! Mas aí eu estava toda apaixonada e ele não dava ibope, eu ia linda e maravilhosa e ele dava aquele sorrisinho sem graça, eu acho que cheguei a chorar por ele, sei lá. Até que as férias vieram e acabou que eu viajei pro mesmo lugar que ele ~~pirei~~ e aí eu achava que ia encontrar ele sempre na praia e nas saídas a noite! Acabou que eu vi ele uma vez ou duas durante quase que três semanas depois ele foi embora e eu fiquei um pouco depressiva, voltei e lá na escola comecei a ver um tal garoto diferente! Acabou que eu não gostava do Lucas em si, já que eu mal o conhecia, na verdade eu gostava do jeito que ele olhava pra mim, só que ele olhava daquele jeito pra todo mundo e quando eu finalmente notei que ele não me dava ibope… Parei (depois de meses) de pensar naquele jeito com o Lucas e uma semana depois esqueci o tal novo garoto! Não sei por que ele me partiu o coração mesmo ele não tendo feito nada! Acho que foi por ele ser o primeiro cara que eu realmente gostei ou o primeiro que eu realmente senti! Mas não sei… as vezes só pelo momento as coisas mudam, só por um olhar as coisas aparecem ou só por um ato gentil, a verdade aparece! Mas tudo foi o que foi, eu chorei por ele e ele nem sequer sonha que eu possa ter feito isso! Eu mal conhecia o Lucas e imaginei coisas que nunca poderiam acontecer, o Lucas não é nada do que pensei, ele é sem graça e metido e só eu que não via isso.

Diário de Pensamentos

– O que nos torna diferentes um do outro é a maneira com que lidamos com os fatos do cotidiano.

– A paixão nasce nos detalhes. Nos pequenos defeitos.

– Quando os mudamos, entramos no que chamo de labirinto da perfeição.

– O quão ridículo é continuar pensando que nada nunca vai mudar.

– Quanto mais você tenta sair, mais perdido você fica.

– As mudanças acontecem! O ruim é que nem sempre é pra melhor!

– Os meus pensamentos mais profundos me dão pesadelos!

PS: Tem algum pensamento que cabe aqui? Algum que alguém por acaso se identifique? Conta pra gente!